Meu Perfil
BRASIL, Norte, MANAUS, ADRIANOPOLIS, Homem, de 46 a 55 anos, Portuguese, English, Arte e cultura, Livros
MSN -



Histórico


Outros sites
 o fingidor
 Jenipapo News
 Ismael Benigno Neto
 Anibal Beça
 Suzana Tavares
 Rogelio Casado
 Ribamar Bessa
 Altino Machado
 Alexandre Matias
 Rafael Galvão
 Marcos Tubarão
 Angelus Figueira
 Edson Aran
 Leonidas Arruda
 Buteco do Edu
 Alex Castro
 Carlos Zamith Jr.
 Raimundo Holanda
 Miguel Cruz
 Betsy Bell
 Reinaldo Azevedo
 Aldir Blanc
 Preto Soul Sim
 Glauco Mattoso
 Blogs do Estadão
 Blogs da Globo
 Cronópios
 Fausto Wolff
 José Nêumanne Pinto
 Tão Gomes Pinto
 Sandro Fortunato
 Sopa de Tamanco
 Spoiler News
 Contraditorium
 Bravus
 Fogo nas Entranhas
 Tea Radio
 Sedentario & Hiperativo
 Microfonia
 Virgula
 Parem o Mundo
 Quem disse que era fácil?
 Moacir Japiassu
 Jacaré Banguela
 Geneton Moares Neto
 Puragoiaba
 GrapHiQ Brasil
 Universo HQ
 Afropress
 Blog do Cardoso
 Blog do Noel
 Rosebud é o trenó
 The Thales
 Melhores do Mundo
 Jovem Nerd
 Tangerine
 Antonio Prata
 Juarez Becoza
 Sandino
 Jangada Brasil
 Histórias do Brasil
 Judão
 Censura Musical
 Cantilena do Corvo
 Popload
 Chico Santaritta
 Trash It Up
 Revista Merda
 Kibe Loco
 Sebastião Nery
 Amazonic Haijin
 Antiga e Mística Ordem dos Abatedores de Lebres (AMOAL)
 Poesia Marginal
 Folclore Político do Amazonas
 Causos de Bamba
 Julian Beever
 Uma Coisa e Outra
 Bombou na Web
 Carlos Heitor Cony
 Ziraldo
 Washington Olivetto
 Paulo Henrique Amorim


 
Blog de simao pessoa


A derrota dos nerds

A menina mostrando o burrão e o outro burrão no computador. Pode?



Escrito por simaopessoa às 23h18
[] [envie esta mensagem] []



ÙLTIMO AVISO AOS NAVEGANTES

 

 

Caríssimos e caríssimas!

 

Depois de uma penosa negociação com o Blogger, consegui recuperar as senhas de alguns blogs que comecei a fazer antes de ser obrigatório ter um endereço no gmail.

 

É que na mudança do meu e-mail uol para um novo endereço gmail, acabei curto-circuitando as senhas e ficando esse tempo todo sem blogar.

 

Como o problema foi resolvido, estou de endereço novo na rede.

 

Façam uma visita sem compromisso (basta clicar no endereço abaixo):

 

http://simaopessoa.blogspot.com/

 

 

Isso posto, tenho o doloroso dever de comunicar que esse blog aqui acaba de falecer. The dream is over.

  

A gente se vê por aí. Ciao.

 



Escrito por simaopessoa às 18h02
[] [envie esta mensagem] []



Porradaria no Planalto

 



Escrito por simaopessoa às 14h00
[] [envie esta mensagem] []



Nova música de Eminem já está na rede

Após quatro anos no ostracismo, Eminem dá indícios de que voltou ao trabalho. Uma nova música do rapper americano acaba de cair na rede. Supostamente chamada de I’m Having a Relapse, a faixa provavelmente fará parte do novo trabalho do cara.

 

Eminem confirmou na última quarta-feira que o seu novo álbum vai se chamar Relapse. Segundo ele, a maior parte das músicas está sendo produzida pelo rapper Dr. Dre.

 

Apesar de ainda não haver informações oficiais a respeito do lançamento, especula-se que Relapse deva chegar às lojas já no início de 2009. Eminem não lança um trabalho inédito desde 2004, quando o álbum Encore vendeu mais de quatro milhões de cópias em poucos dias. 

 

Clique aqui e faça o download de I´m Having a Relapse

 

 

 

AVISO AOS NAVEGANTES

 

Sim, homeboys e tankgirls, o UOL mudou de cara. Ficou bonitinho, mas ordinário. Daí que esse meu blog – que mal completou dois anos –, feito um alimento vencido, também está com os dias contados. Há alguns dias, sempre que vou postar algum treco, ele indica que não possuo mais espaço disponível. Desconfio que atingi o limite da memória disponível para cada assinante.

 

Por enquanto, estou quebrando o galho deletando alguns posts antigos. Na prática, é como se você tivesse um relicário (ainda existem?) e tivesse que arrancar as páginas e jogar fora. Em suma (MG), uma grande filhadaputice. Resolvi jogar a toalha. O NYT informará



Escrito por simaopessoa às 00h37
[] [envie esta mensagem] []



Neil Gaiman entrevistado por Edney Silvestre

Dica não diretamente ligada à música, mas totalmente voltada à cultura pop.

O blog Quadriteca recuperou esta excelente entrevista do autor de Sandman para o programa Espaço Aberto, da Globonews, realizada quando o britânico esteve no Brasil, em julho, participando da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip).

Material imperdível para os adoradores de Morpheus e dos Perpétuos.



Escrito por simaopessoa às 00h11
[] [envie esta mensagem] []



Neon Neon conecta hip-hop e pop art

 

Jotabê Medeiros (AE)

 

O galês Gruff Rhys já esteve no TIM Festival anteriormente, com sua banda Super Furry Animals. Foi um auê. Agora, ele volta a bordo de um projeto paralelo, o Neon Neon, que tem apenas dois elementos: Rhys e o produtor norte-americano de hip-hop Boom Bip.

 

Em entrevista por telefone, Rhys falou da experiência que foi mixar um disco no Brasil na época do seu show (“Bons tempos, fizemos um trabalho muito bom com o Mario Caldato”) e, pelo que contou do disco Stainless style, seu novo trabalho com o Neon Neon, é um conceito semelhante ao da pop art, apropriando-se de signos da indústria cultural. No ano que vem, ele adianta, sai um novo álbum do Super Furry Animals, cuja idéia lembra a do livro Ulisses, de James Joyce - uma ação que remonta um dia na vida de um personagem.

 

Você é muito bem-sucedido com o Super Furry Animals. Qual a ambição em ter uma banda paralela?
 

GRUFF RHYS - Não há ambição alguma. Ou melhor: a ambição é fazer um disco bem maluco sobre a vida, sobre o dia-a-dia de caras como eu e Boom Bip. É algo que eu sonhava fazer há muito tempo. Há três anos eu conheci Boom Bip e começamos a imaginar esse trabalho. Mas a realização foi rápida: mixamos o disco em apenas três semanas.

 

O que vê de mais original nesse trabalho?
 

GRUFF RHYS - O que é mais interessante é a transposição de uma vida, de uma biografia, para a música. É um disco que é controverso em alguns momentos, que fala da mitologia das corridas e de aspectos da vida de um famoso industrial de automóveis (John DeLorean, preso por tráfico de drogas e que morreu em 2005, aos 80 anos, falido e clamando inocência). É suave em alguns momentos, em outros é mais denso.

 

Há faixas batizadas com nomes estranhos, como dos astros hollywoodianos Michael Douglas e Rachel Welch. Por que Douglas e Rachel?
 

GRUFF RHYS - É parte das nossas obsessões cotidianas, a figura dessas celebridades como Douglas, Welch ou Candice Bergen. Nós procuramos tornar esses ícones parte do tratamento comum da nossa vida, trazê-los do Olimpo para a vida real. As músicas se apropriam de tudo isso: filmes, programas de TV, e fazemos um mix irônico disso tudo com o hip-hop. Não é a representação de uma pessoa, mas de sua imagem, é a imagérie de Hollywood nos servindo de combustível, esse mundo dominado pela cirurgia plástica. Nós vimos esse disco como a oportunidade perfeita para brincar com um certo sarcasmo.

 

Você também prepara um novo disco com o Super Furry Animals, não?
 

GRUFF RHYS - Sim. Estamos em processo de pesquisa e gravação de demos e devemos finalizar o novo disco antes do final do ano. Nossos discos sempre são diferentes uns dos outros e esse agora vai ser um dos mais ambiciosos, muito aberto, muito diferente do que normalmente fazemos. Vamos gravar com uma orquestra e não haverá letras, apenas música. Será uma espécie de história contada em 24 horas de música, como se fosse um dia na vida de uma pessoa. É difícil de descrever, mas será algo assim.



Escrito por simaopessoa às 23h55
[] [envie esta mensagem] []



O reconhecimento à Annie Leibovitz

 

LONDRES - Um dos principais museus de Londres, a National Portrait Gallery, inaugura amanhã uma superexposição sobre a carreira e vida da badalada e talentosíssima fotógrafa norte-americana Annie Leibovitz. A mulher é o bicho! É quase impossível que algum ser humano nas últimas décadas não tenha despertado para alguns de seus mais famosos cliques.

 

“Annie Leibovitz: A vida de uma fotógrafa 1990-2005” reúne mais de 150 fotos, em que estão registrados momentos de sua intimidade, como o nascimento das três filhas, reuniões em família e com amigos, sem falar das fotos ousadas e fantásticas que esta mulher produziu ao longo de sua trajetória. Esta, sim, é uma verdadeira artista - na plenitude desta palavra.

 

 

E justamente por ser uma das maiores profissionais dos últimos tempos, é requisitada por celebridades e personalidades (subentendido que quem faz parte do primeiro grupo necessariamente não pertence ao segundo).

 

Entre elas, podemos destacar Demi Moore grávida e despida – outra famosa capa –, Mikhail Baryshnikov, Nicole Kidman, Elizabeth II, Whoopi Goldberg, Yoko Ono e John Lennon (a bombástica foto de primeira página da Rolling Stone"), Susan Sontag, Meryl Streep, Al Pacino, George Clooney, Bette Midler, Kirsten Duns, Julia Robert, etc, etc, etc. Pra alguém ser “alguém” de fato, precisa ser fotografado por Leibovitz.

 

 

A exposição traz ainda registros de fatos importantes da história mundial, como o cerco a Sarajevo, nos anos 90. “Eu tenho apenas uma vida. Tanto as fotos pessoais, como as que fiz como parte do meu trabalho, integram um todo”, diz Annie.

 

Annie Leibovitz começou a carreira nos anos 70 quando começou a documentar a cultura popular americana. Seus primeiros trabalhos foram publicados na revista Rolling Stone, da qual se tornou a principal fotógrafa. Anos mais tarde, passou a trabalhar para a Vanity Fair e Vogue, além de grandes campanhas publicitárias. A mostra fica em cartaz na National Portrait Gallery até 1º de fevereiro de 2009.

 

 

Quem quiser saber mais sobre a trajetória de Annie Leibovitz, vale a pena alugar o DVD “Annie Leibovitz – Life through a lens”, documentário que revela as muitas faces desta célebre porém reservada fotógrafa. Contrariando todas as expectativas, ela se mostrou inteira diante da cânera para a diretora do filme, sua irmã Barbara. Feito para a TV pública americana, foi exibido no Festival do Rio 2007.



Escrito por simaopessoa às 13h01
[] [envie esta mensagem] []



Yes sairá em turnê mundial com novo vocalista

 

Apesar de estar se preparando para cair na estrada com um vocalista diferente da formação original, a banda Yes, de rock progressivo, deixa bem claro que Jon Anderson não está fora da banda. “É claro que não”, disse o baixista Chris Squire ao site da Billboard.

 

“Infelizmente, John teve problemas de saúde nos últimos anos e é por isso que faz tempo que o Yes não faz shows (o último foi em 2004). Tivemos de respeitar o fato de ele estar doente. Ele teve de ser internado várias vezes para vários procedimentos sérios. Se Jon ficar bem no ano que vem, ele voltará”, assegurou.

 

Depois que a asma de Anderson forçou o Yes a suspender a turnê de aniversário de 40 anos da banda, Squire diz que a banda de rock progressivo decidiu seguir em frente, contratando Benoit David, da banda Close to the Edge, que faz tributos ao Yes em Montreal. O objetivo é agradar “os fãs que sentem falta da música. Esta é uma maneira de honrar à música e agradar os fãs”.

 

Fundada por Jon Anderson (voz), Chris Squire (baixo e vocais), Steve Howe (guitarra e vocais), Patrick Moraz (teclados) e Alan White (bateria), a banda lançou o álbum de estréia com um som bastante psicodélico, que bombava no final dos anos 60. O disco foi muito bem recebido pela crítica e por fãs do mundo inteiro e o grupo saiu emplacando um sucesso atrás do outro, como “Long distance runaround”, “Roundabout”, “And you and I”, “I’ve seen all good people” e “Starship trooper”, entre outros.

 

No mês passado, Anderson publicou uma mensagem em seu site, dizendo-se desapontado com a decisão de seus colegas, porém ela foi deletada. Squire acredita ter “a bênção do vocalista para sair e fazer isso”.

 

A banda se encontrará ainda este mês para os ensaios da turnê de seis semanas de duração, que começará em 4 de novembro, no Canadá. No roteiro, estão os clássicos e “coisas completamente novas” que o baixista escreveu com o guitarrista. Os espetáculos da turnê serão gravados para futuros venda e download na internet.



Escrito por simaopessoa às 14h05
[] [envie esta mensagem] []



Um inesquecível tributo a Cartola

 

Tamyres Matos

 

Quem ainda insiste em dizer que brasileiro não tem memória, foi novamente desmentido ontem à noite, quando artistas de renome se encontraram no palco do Canecão para homenagear Cartola, que faria 100 anos no último sábado.

 

Lá estiveram Alcione, Beth Carvalho, Leci Brandão, Emílio Santiago, Nelson Sargento, Elba Ramalho, Sandra de Sá, Jorge Vercilo, Maria Rita, Rildo Hora, Dorina e Flávio Bauraqui, além da Velha Guarda da Magueira.

 

O evento, que também contou com a participação da Orquestra de Violinos Cartola Petrobras, teve a renda revertida para os projetos culturais do Centro Cultural Cartola.

 

Sob a direção musical de Jorge Cardoso, o espetáculo foi uma oportunidade para os admiradores da obra do fundador da Estação Primeira de Mangueira ouvir alguns dos muitos sucessos que criou.

 

O repertório de “Cartola eterno” trouxe as obras-primas “As rosas não falam”, cantada por Beth Carvalho (a primeira a gravá-la, na década de 70), “Corra e olhe o céu” (parceria de Cartola e Dalmo Castelo) e “Acontece”, que foram interpretadas por Leci Brandão, e “Autonomia”, na voz de Alcione. A direção da apresentação foi de Solange Nazareth, irmã da Marrom.

 

O artista que gravou o primeiro álbum aos 65 anos – sua discografia se resume a quatro elepês – teve uma carreira acidentada. Sua trajetória pode ser dividida entre a fundação da Mangueira, o ostracismo, o encontro e o casamento com Dona Zica, a abertura do Zicartola, a tardia consagração e o câncer, que o mataria aos 72 anos em 1980.

 

O reconhecimento de sua importância na música brasileira e de sua refinada poesia veio de formas variadas com a chegada do ano do centenário.

 

Além dos shows, outras realizações incluíram o lançamento do livro escrito por Mônica Ramalho (da coleção Mestres da Música), a peça de teatro Viva Cartola!, exposições, seminário, além de concursos de músicas e de monografias sobre o compositor.

 

A organização de tudo isso ficou a cargo, principalmente, da família e da escola de samba do coração do compositor.

 

O projeto “Cartola 100 anos” está sendo desenvolvido no Centro Cultural Cartola, dirigido por seus netos, Pedro Paulo e Nilcemar Nogueira, para apresentar seu trabalho às novas gerações.

 

O comportamento afetuoso de Cartola é lembrado por Beth em recente entrevista: “Ele era muito fechado, mas comigo era meio pai. De onde estiver, ele vai estar agradecendo essa homenagem”, diz.

 

A célebre frase de Nelson Sargento: “Cartola não existiu, foi um sonho que a gente teve”, que ornamenta a entrada do centro cultural da Mangueira, parece descrever bem os sentimentos que motivaram os cantores a participar do tributo.

 

A saudade de um tempo que passou muito rápido cumpriu a expectativa de um show verdadeiramente grandioso e inesquecível para os amantes do samba. Axé, Cartola!



Escrito por simaopessoa às 13h57
[] [envie esta mensagem] []



Beastie Boys chamam artistas na luta por Obama

 

 

Alguns músicos norte-americanos seguem suas atividades em apoio ao candidato democrata à Casa Branca, Barack Obama. Agora, Beastie Boys chamou Santogold, Jack Johnson, Ben Harper, Sheryl Crow, Norah Jones, Tenacious D, David Crosby e Graham Nash para a Get Out and Vote Tour, que começa no dia 28 de outubro. A eleição gringa será no dia 04 de novembro.

Conforme a Billboard, o objetivo da turnê é fazer o público se divertir e acordar no outro dia mais consciente sobre seu voto. Os Beastie Boys têm um consistente histórico de ativismo político, especialmente no que diz respeito ao governo norte-americano e à questão do Tibete.

Enquanto isso, Madonna segue atacando a vice do candidato John McCain, a descontrolada Sarah Palin, em seus shows. 

 

 

 

Já a banda Foo Fighters está acusando John McCain, candidato a presidência dos Estados Unidos pelo partido Republicano, de utilizar em sua campanha a música My Hero sem a autorização do grupo.

 

Em comunicado veiculado em seu site oficial, a banda afirma não ser a primeira vez que o candidato se utiliza de uma música sem autorização do autor. O grupo ainda disse que o candidato deturpou o sentido original da música, usando-a em seu favor.

 

“É frustrante e decepcionante ver uma pessoa, que espera falar pelos Estados Unidos, repetidamente, tenha tão pouco respeito em relação propriedade intelectual”, diz parte do comunicado.

 

Recentemente, o Foo Fighters anunciou uma pausa nas suas atividades.



Escrito por simaopessoa às 13h15
[] [envie esta mensagem] []



Novo do Guns sai no dia 23 de novembro

 

A Billboard disse que Chinese Democracy, esperado novo álbum do Guns N’ Roses, chegará às lojas no dia 23 de novembro. Nos Estados Unidos, o lançamento será exclusivo para a rede varejista Best Buy. Reza a lenda que o álbum começou a ser gravado em 1994.

 

A estratégia inclui o lançamento da música inédita Schackler’s revenge no jogo Rock Band 2 e a inclusão da música If the world no filme Rede de Mentiras, com Leonardo DiCaprio e Russell Crowe.

 

Além disso, está programado o relançamento em vinil do álbum de estréia do Guns, Appetite for Destruction.

 

O último álbum de inéditas da banda foi o duplo Use your Illusion I e II, lançados simultaneamente em 1991. Depois disso, rolou The spaghetti incident?, com covers de bandas punk dos 70 e 80.

 

A marca Dr. Pepper havia prometido dar uma lata de refrigerante para cada cidadão norte-americano caso o disco fosse lançado em 2008. Só quero ver!

 

 

E já que estamos falando em “metal-farofa”, um músico chamado Samuel Bartley Steele está processando o Bon Jovi em quase um trilhão de reais.

 

Ele afirma que a banda plagiou a letra de sua canção “(Man I really) Love This Team”, de 2004, na música “I Love This Town”, gravada pela banda em 2007 no álbum Lost Highway.

 

Samuel conta que o vocalista Jon Bon Jovi ouviu sua música enquanto trabalhava na campanha pelo candidato à presidência John Kerry, em 2004.

 

O músico quer uma indenização de cem mil dólares para cada CD vendido pelo Bon Jovi contendo esta música, chegando ao valor de 400 bilhões de dólares.

 

“Será fácil de provar”, Steele afirma confiante na sua vitória. A banda declara ainda não ter notícia deste processo.



Escrito por simaopessoa às 13h06
[] [envie esta mensagem] []



Franz Ferdinand usa ossos como instrumentos

 

Alex Kapranos disse à MTV norte-americana que o Franz Ferdinand usou fêmur, costelas humanas e outros ossos como instrumentos para gravar a música Katherine, Kiss Me, que estará no terceiro álbum dos escoceses, Tonight.

– Lembro que estávamos fazendo a música Kiss Me e, no refrão, queríamos ter o som de uma percussão bem seca. Achamos no canto do estúdio uma caixa com os esqueletos e decidimos experimentar – disse Kapranos.

Diz que ele e o guitarrista Nick McCarthy compraram a tal caixa de ossos em um leilão em 2007. A idéia inicial era decorar o estúdio, mas a ossada acabou virando instrumentos musicais. Kapranos disse que o som ficou “estranho e perverso”.



Escrito por simaopessoa às 21h35
[] [envie esta mensagem] []



Ler é o melhor remédio

 

Roberta Campos Babo

 

O SAL É UM DOM, da Nova Fronteira, reúne receitas de Dona Canô, mãe de Caetano e Maria Bethânia. Idealizada e escrita pela também filha Mabel Veloso, a obra “é um livro sobre a vida”, mostrando o paladar como fio condutor do dia-a-dia da família, que sempre celebrou a alegria de estar reunida. Segundo Mabel, que aparece aí na foto com Dona Canô, “as refeições são tratadas como um momento importante”.

 

Em BARCELONA, da Agir, o crítico de arte Robert Hughes faz um relato pessoal sobre a capital da Catalunha, misturando fatos de sua vida e dados históricos. A obra analisa 14 séculos de história, do surgimento da cidade até o presente, mostrando o espírito e a cultura catalã, viajando por locais históricos, das obras de Gaudí à Boqueria e a Praça Real.

 

O TOTEM DO LOBO, da Editora Sextante, retrata a cultura, espiritualidade, a ética e o estilo de vida dos últimos nômades da Mongólia Interior. O cientista social chinês Jiang Rong usa o lobo como metáfora para contar a história do jovem estudante que, em plena revolução cultural da China, passa a viver entre pastores nômades numa relação quase sobrenatural com a natureza. A obra é uma dura crítica à sociedade e aos ideais da revolução.

 

GATO ESCALDADO TEM NOVE VIDAS, da Bertrand Brasil, reúne histórias vividas e ouvidas pelo escritor Jeffrey Archer durante o período em que esteve preso sob acusações de perjúrio e obstrução da justiça durante uma investigação do governo britânico. São 12 contos com finais surpreendentes.

 

Em ALICE E O MISTÉRIO DA CASA VERDE, da Editora Muiraquitã, a escritora Neide Graça conta a história da menina que passa a freqüentar um casarão antigo para desvendar seu mistério. Um dia, ela vê na casa verde uma sala misteriosa habitada por uma melodia tão bela quanto desconhecida e sua missão é descobrir o que acontece por lá. Ela descobre, junto com o que acontece na sala misteriosa, que existe amor à primeira vista.

 

OUTROS 500, da Saraiva, mostra a aventura de uma estudante que se perde em território indígena, na Serra da Canastra, em Minas Gerais. Ela só consegue voltar para o acampamento com a ajuda de um índio, não sem antes conhecer mais sobre a cultura Xavante. A obra do biólogo Marcelo Bizerril revela as belezas naturais da flora, fauna e cultura brasileiras, além de mostrar a importância das diferenças.

 

MISSÃO NO REICH, da Odisséia Editorial, faz um mergulho no mundo dos diplomatas latino-americanos que serviam em Berlim e em outras importantes cidades do Velho Continente durante o regime nazista. O jornalista Roberto Lopes, que viajou por 11 países à caça de telegramas, ofícios, cartas, textos de pronunciamentos, atas oficiais e relatórios secretos, reconta a história da primeira fase do relacionamento da América Latina com o nazifascismo através do comportamento de seus agentes diplomáticos e consulares na Europa.

 

UMA HISTÓRIA, UMA LOROTA... E FIQUEI DE BOCA TORTA, da Formato, traz histórias escritas pelo garoto que encontrou uma mensagem num estojo de lápis esquecido em cima da mesa. O jornalista mineiro Pedro Antônio de Oliveira garante que depois de ler a mensagem, o garoto ganhou poderes mágicos de escritor e o resultado é “de encantar os olhos e o coração da gente”.



Escrito por simaopessoa às 14h22
[] [envie esta mensagem] []



Drew Barrymore está curtindo a vida de solteira adoidado

 

Reunir-se com os amigos, ficar a par do noticiário político, fazer mais viagens com as Nações Unidas na qualidade de embaixadora do Programa Mundial de Alimentos e se concentrar no trabalho são as prioridades da “pantera” Drew Barrymore, como ela mesma contou em entrevista à revista Harper’s Bazaar, que será publicada na edição de novembro.

 

Feliz com a vida de solteira, desde que se separou do namorado Justin Long em julho, a atriz de 33 anos, garantiu: “Sou muito feliz com minhas prioridades como estão agora. Fiquei solteira alguns meses e voltei minha atenção às minhas paixões. Fui aprender quem sou, não através de um homem, mas por mim mesma”, afirmou. Antes de Long, Drew já havia se relacionado com o diretor Spike Jonze e com o baterista do Strokes, o brasileiro Fabrizo Moretti.

 

Uma das transformações sofridas por Drew – que estreou aos 3 anos de idade na TV em Suddenly, love (1978) e conquistou fama mundial ainda pequena por sua participação em E.T. - O Extraterrestre (1982) – diz respeito ao interesse pelas eleições presidenciais de 4 de novembro.

 

A artista reconheceu que não deu muita atenção às eleições de 2000, disputadas por Al Gore e George W. Bush, mas afirma que agora está consciente da importância de votar. “Ninguém me falou sobre política ou de por que votar é importante. Tornei-me votante confessa e sinto que é preciso conseguir que os demais também sejam”, destacou.



Escrito por simaopessoa às 08h54
[] [envie esta mensagem] []



JUIZ ADVERTIU O TRE SOBRE FRAUDES EM MANACAPURU

 

Dois dias antes da eleição, o juiz eleitoral de Manacapuru, Luiz Cláudio Chaves, advertiu ao TRE que o município sofreria a maior fraude Eleitoral da história. Segundo o juiz, a compra de votos não poderia ser contida porque toda a estrutura do estado, inclusive a Policia Militar, havia sido colocada a serviço do candidato Edson Bessa (PMDB). Pediu reforço. Pediu e não foi atendido. O resultado foi o maior derrame de dinheiro da história, que não foi coibido e forjou um resultado aparentemente correto, mas revelador do poder do dinheiro no processo eleitoral. Mais que isso: que as instituições podem ser colocadas a serviço de um homem em particular e de seus interesses políticos imediatos.

No dia 4, em entrevista ao jornal Repórter, Luiz Cláudio, um juiz preocupado com os rumos que a eleição havia tomado, com o governador do Estado, Eduardo Braga, interferindo diretamente no processo, desabafou:


- Pedi reforço em função de muito fatos, como por exemplo o afastamento do comandante militar que se apresentou a mim e prometeu imparcialidade, por ser independente e que não iria se prestar a parcialidade. Nem mesmo sentamos para elaborar estratégia. Em menos de 24 horas foi afastado. Ainda nem sei quem vem para o lugar dele. Na quinta-feira, às 9 horas, já sem farda, ele veio a mim e disse que já ia embora porque tinha recebido determinadas ordens e tinha se negado de cumpri-las.

Veja trechos da entrevista do juiz:

Repórter – Em recente matéria publicada no Diário do Amazonas, o senhor fez sérias denúncias relativas a interveniência do poder público estadual e municipal no processo eleitoral. O senhor comunicou ao TRE.
LC - Mais do que isso, eu escrevi e assinei.

Repórter – É verdade que a Polícia Militar tem agido com parcialidade no combate aos abusos eleitorais.
LC - Com relação a imparcialidade, o problema não está na tropa. Temos policiais militares valorosos, a PM é uma instituição centenária. Mas nessas eleições eu tenho a impressão de que... Aliás, eu não tenho notícia de que de 1982 para cá, quando o país começou a se redemocratizar de que a PM está sendo utilizada como uma ferramenta política de manutenção de quem está no poder. A gente percebe de que há uma orientação permanente e vertical. E a opção que os comandantes têm é entregar o posto por não cumprirem determinadas ordens. Mas nem todos os oficiais agem dessa maneira.

Repórter – Explique melhor.
Juiz - Ontem (quinta-feira, 2), um coronel da PM, aliás, anteontem, esteve comigo, avisou que iria agir com imparcialidade, que ia fiscalizar todo mundo. Sabe o que aconteceu? Em menos de 24 horas foi afastado do comando.

Repórter – E a imparcialidade?

LC – No interior, por exemplo, a maioria das pessoas que tem veículos não paga IPVA. O que a polícia tem que fazer? Prender o veículo, tudo bem? Acontece que ela tem que fazer com todo mundo. Não pode ser para uns e deixar outros livres. Como em todo segmento da sociedade tem os bons e os maus, aqui em Manacapuru tem os maus policiais que ainda não sei quem são. Eles estão entregando notoriamente rancho nas casas das pessoas. Se você andar na rua e perguntar todos vão dizer que é verdade.

Repórter – Então a PM não está combatendo o crime.

LC - Não tenho notícia de que esteja combatendo. Logo estão pecando por omissão.

Repórter – Nesse caso, a justiça não poderia ser mais atuante ?

LC - Nós temos feito o que pudemos. Infelizmente não tem dado certo. Para responder a sua pergunta tem uma frase antiga que diz que é “malhar em ferro frio”. A justiça não tem encontrado o devido eco na Polícia Militar.

Repórter – Como ocorre a distribuição de rancho.

LC - A distribuição de rancho ocorre só na madrugada.

Repórter – Para essa operação é verdade que a energia é desligada?

LC - Agora parou. Essa noite (quinta-feira) não faltou. Mas vinha faltando. De uma da manhã às três. Nesse horário, o movimento motos se intensificava. Era moto pra cima e pra baixo, nesse serviço. Manacapuru parecia São Paulo. A cidade não parava mais.

Repórter – E a justiça?
LC - Com um carro velho do TRE, uma pick up, com apenas um funcionário do quadro, não iria colocar uma estrela no peito e uma chapéu na cabeça para ser o xerife da cidade. Nós temos que trabalhar com provas. Quem tem que trazer as provas para a justiça é a polícia e o Ministério Público. Depois que vier pra cá e a polícia prender é que vamos processar. Mas se a prova não for coletada, o crime não for combatido... Nesse período eleitoral, o policiamento ostensivo seja mais importante que as decisões judiciais que se reportam a algo que já passou.

Repórter – O governador praticou de alguma forma crime eleitoral?

LC - O que eu tenho sempre ouvido nos carros de propaganda volante são discurso do governador dizendo que ainda tem dois anos e meio de mandato pela frente, que ainda pode fazer muito por Manacapuru, mas que precisa que eleja o candidato dele. Então, o povo entende isto como uma ameaça velada. O ministro Alfredo Nascimento, no último sábado, 27, veio aqui fazer um comício e os carros de som, novamente, transmitiram as palavras dele que diziam que determinado candidato (Edson Bessa ou Bessinha) tinha muito apoio – apoio do governador, apoio do ministro, apoio do presidente e que, ao contrário dele (o candidato do governo), o outro ia ficar com o pincelo não mão. Ou seja, não iria fazer nada.

Repórter – Isso não seria abuso de poder político.

LC - Na melhor das hipóteses, isso me parece um comportamento impróprio, incompatível com as liberdades democráticas. Porque as pessoas que estão no exercício do poder têm o dever público com a sociedade que vai muito além dos compromissos com grupos ou partidos políticos. Quem está no poder é o administrador de todos. É o presidente de todos, é o governador de todos, é o prefeito de todos, é o ministro de todos, não apenas de seus correligionários. Nós estamos no século 21, vivendo o que seria um estado de direito, e essas práticas são absolutamente incompatíveis com o estado de direito.


Repórter – Por que o senhor pediu reforço policial?

LC - Pedi reforço em função de muito fatos como, por exemplo, o afastamento do comandante que se apresentou a mim e prometeu imparcialidade, por ser um militar independente e que não iria se prestar a parcialidade. Nem mesmo sentamos para elaborar estratégia, em menos de 24 horas foi afastado. Ainda nem sei quem vem para o lugar dele. Na quinta-feira, às 9 horas, já sem farda, ele veio a mim e disse que já ia embora porque tinha recebido determinadas ordens e tinha se negado de cumpri-las. Com o coronel Hebert pretendíamos montar um patrulhamento para evitar nos bairros mais pobres distribuição de rancho e compra de títulos eleitorais porque é nessa época do ano, agora que a campanha está encerrada, que os pobres vendem os títulos de eleitores por R$ 50, 00, por R$ 100,00.

Para você entender o caso

Edson Bessa, o Bessinha, entrou na campanha pelo PMDB com apenas 1% de intenção de votos. No final da campanha, pesquisas não divulgadas apontavam 73% em favor de Angelus Figueira e 20% em favor do Bessinha. O resto dessa história, você pode comprender lendo a carta do juiz ao desembargador Ari Moutinho, presidente do Tribunal Regional Eleitoral.



Escrito por simaopessoa às 18h55
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]